Espasticidade na paralisia cerebral

Espasticidade na paralisia cerebral

A espasticidade é uma desordem motora caracterizada por um aumento do tônus muscular e acometem preferencialmente os músculos antigravitários. É um distúrbio freqüente nas lesões congênitas e adquiridas do sistema nervoso central, como a Paralisia Cerebral.

Inicialmente ela dificulta as posturas do individuo e prejudica as atividades de vida diária como a alimentação, locomoção, troca de posturas e os cuidados com a higiene. Além disso, pode levar a contraturas, rigidez, luxações, dor e deformidades, quando não tratada. Abaixo veja dois exemplos de marcha de um paciente portador de Paralisia Cerebral espástica.

Exemplo de andar espástico e marcha em tesoura - Espasticidade - Artigos - Clínica Intensiva

 

Hoje a escolha do melhor e mais eficaz tratamento para crianças portadoras de paralisia cerebral tipo espástica, e/ou associá-los, vem sendo muito discutido entre as equipes multiprofissionais e pais, por haver uma ampla gama de estratégias terapêuticas e associações, onde normalmente cada profissional defende seu trabalho, porém, sempre em busca dos mesmos objetivos, para proporcionar melhor qualidade de vida ao paciente.

O manejo terapêutico da espasticidade e/ou de suas conseqüências, envolve desde terapias convencionais (Fisioterapia Aquática, Equoterapia, Fisioterapia motora com o conceito Bobath e Cuevas Medek), como as associações (Wii terapia, kinesiotaping, Gesso seriado, Integração sensorial, órteses, medicamentos via oral de ação central, aplicação de toxina botulínica local, cirurgias, fisioterapia intensiva, entre outros.

email

Deixe seu depoimento ou comentário. Sua opinião é muito importante!